Apresentação

A reforma do Espaço Europeu de Ensino Superior, implementada pelo designado Processo de Bolonha, tem sido alvo, nos últimos anos, de inúmeros debates, muitas vezes com registos pouco consensuais, sobre a substancialidade e pertinência das mudanças efetivamente operacionalizadas, nomeadamente em termos de qualidade do ensino e das aprendizagens, da avaliação, da mobilidade de estudantes e docentes e de níveis de internacionalização das Instituições de ensino superior.

Com efeito, tem vindo a ser questionado o alcance do objetivo último da reforma - o reforço da formação de excelência e da investigação de ponta na Europa, capaz de contribuir para o aumento da competitividade científica e económica face ao exterior - suscitando inúmeros desafios sobre os quais um debate alargado se afigura por demais pertinente, volvidas quase duas décadas desde a assinatura da Declaração de Bolonha (1999).

A necessidade de criar um Espaço Europeu coeso e abrangente, onde saíssem reforçadas as dimensões intelectual, científica, tecnológica, social e cultural, esteve na origem da Declaração da Sorbonne (1998), na qual se plasmou a necessidade de criar o Espaço Europeu de Ensino Superior, o que veio a acontecer no ano seguinte com a Declaração de Bolonha. Estabelecida esta Declaração foram constituídos grupos de trabalho (e.g., projecto Joint Quality Initiative; Tuning Educational Structures in Europe) que têm estado implicados numa intensa atividade política e universitária para assegurarem a qualidade e comparabilidade dos vários cursos e graus. Volvidos estes anos, que balanços podemos estabelecer? Até que ponto o nível discursivo correspondeu a práticas e políticas efetivas? Em que sentido se pode afirmar que a qualidade dos processos de ensino e aprendizagem efetivamente aumentou? Que barreiras, contradições e obstáculos encontramos no quotidiano das instituições de ensino superior?

Tais preocupações servem de mote ao debate, alargado e informado, que a Universidade de Coimbra, através da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, visa promover, sobre as mudanças implementadas e os caminhos de reconfiguração a instituir para a consolidação da qualidade dos percursos formativos e da permanente criação, reinvenção e inovação do conhecimento, entendidos como o desígnio e a missão fundamental das instituições de ensino superior. Pretende-se igualmente que o presente Congresso represente um contributo significativo para a revisão e reformulação das políticas de Ensino Superior.

Assim sendo, O Congresso estrutura-se em torno dos seguintes objetivos gerais:

  • Ponderar os impactes do Processo de Bolonha na qualidade e reestruturação do Ensino Superior nas dimensões do Ensino, Investigação e Internacionalização/ Mobilidade;
  • Debater o processo de implementação da reforma do Espaço Europeu de Ensino Superior e respetivos desafios;
  • Refletir sobre a transição paradigmática inerente à agenda pedagógica da Reforma de Bolonha;
  • Discutir os valores e a relevância social do Ensino Superior no contexto dos desafios societais atuais.