PROGRAMA SESSÕES PARALELAS / COMUNICAÇÕES ORAIS

EIXO 1. ENSINO, APRENDIZAGEM E ENVOLVIMENTO DOS ALUNOS: TRANSIÇÃO PARADIGMÁTICA EM ANÁLISE

SESSÃO 1

Quinta Feira – 17.15-18.30h - Sala 4.5
Moderador: CARLOS SOUSA REIS

Sofia de Lurdes Rosas da Silva, Joaquim Armando G. Ferreira, António G. Ferreira

Desenvolvimento do Estudante no Ensino Superior e Evolução das Perceções de Mudança Durante o Percurso Académico

Bolonha veio reforçar a ideia de que o ensino superior deveria estimular o desenvolvimento global dos estudantes. A este respeito, a literatura já vinha assinalando que as práticas educativas adotadas pelas instituições de ensino superior apresentavam um impacto positivo considerável.
Partindo deste pressuposto, e a partir de um conjunto de instrumentos construídos para o efeito, conduziram-se dois estudos: estudo 1, de natureza transversal, com 576 estudantes, para avaliar o efeito de variáveis de contexto (ambiente institucional, interação com pares e professores, envolvimento do estudante) sobre a perceção de ganhos no domínio das competências cognitivas, psicossociais e académicas; estudo 2, longitudinal, junto de 75 estudantes, para medir a mudança de perceção nas dimensões consideradas. Os resultados revelaram que as variáveis de contexto foram as que mais poder explicativo apresentaram considerando as diferentes variáveis de resultado.

Ana Cristina Almeida

Perceção de Estudantes de Psicologia Pós-Bolonha acerca da experiência de aprender

A Educação Superior pautada pelo Quadro Europeu de Qualificações e EuroPsy apela à mobilização de conhecimentos teóricos, aquisição, treino de aptidões práticas e técnicas, e ao domínio de competências sociais para promover adaptabilidade, mobilidade e o capital Humano. Consideramos, pois, importante aproximar o ensino, no caso, de Psicologia à aprendizagem integrada visada e ao envolvimento dos estudantes, pelo que partimos do modo como se perspetivam nas suas vivências académicas e, particularmente, da perceção das suas próprias competências e experiências de aprendizagem. A resposta às questões apresentadas pretende constituir oportunidade de reflexão e de autoexploração a propósito da preparação para as futuras ocupações e desenvolvimento de carreira em articulação com o projeto de vida pessoal. Responderam perto de 200 estudantes, cuja opinião reflete a necessidade de maior concertação no estabelecimento de um paradigma cultural de formação consentâneo com o Processo de Bolonha.

Carlos Sousa Reis e Maria das Dores Formosinho

What has the Bologna’s Process Forgotten?

The so called “Bologna Process” (BP) intended to develop an integrated European Higher Education area, explicitly refocused teaching and learning in students’ individual work and in student-centred methodologies. However, the apparent mismatches between declared intentions and the developed practices have led many participants to suspect that there were some planning equivoques regarding the BP, or worse, the stated purposes could in fact serve less clear options about what was really intended. In order to critically clarify the above mentioned issue, we will start by considering the promised pedagogical reform on its own terms. Later on we will attempt to present a coherent proposal to the announced “pedagogical revolution”, at least regarding the manifested intentions, in such a way we can enhance the gap between the promoted political measures and the practices encouraged.

SESSÃO 2

Sexta feira - 09.00-11.00h - Sala 4.5
Moderador: FRANCISCO GILSON REBOUÇAS PORTO

Cláudia Figueiredo

O processo de construção da autonomia na educação doutoral: contributos de um estudo retrospetivo com recém-doutorados


A Educação Doutoral visa o desenvolvimento de competências que permitam a condução de investigação de forma rigorosa e autónoma. Porém, poucos estudos têm abordado o desenvolvimento da autonomia neste contexto. Seguindo um plano de investigação qualitativo, de design retrospetivo, entrevistaram-se 19 recém-doutorados, visando compreender como descreviam o processo de construção da autonomia.
A Análise Temática apresenta 3 subtemas referentes ao Desenvolvimento da Autonomia: (1) Início do processo–expetativas e visões iniciais, remete para o momento da primeira avaliação entre as expetativas que se tinham e a realidade; (2) Processo–perceções, desafios e estratégias, aborda o processo de desenvolvimento quando este decorre; e (3) Resultado do processo–Avaliação, sistematiza verbalizações acerca da avaliação global dos ganhos com o processo.
Estes resultados pretendem contribuir para a discussão do que Bolonha desafia o estudante do 3º Ciclo a realizar (pensar e atuar autonomamente).

Rosenilde Nogueira Paniago e Teresa Jacinto Sarmento

A investigação ao serviço das práticas como componente central no processo de aprendizagem profissional

O processo de Bolonha introduziu alterações no processo de formação, obrigando a uma organização por três ciclos de estudo (1ºciclo-licenciatura; 2ºciclo-mestrado; 3ºciclo-doutoramento). Na formação de professores, é obrigatória a realização de dois ciclos de estudos, logo, a concretização do grau de mestrado. Este grau integra na sua definição a componente de investigação, o que, no caso da formação dos professores dos primeiros ciclos é entendido como ‘investigação ao serviço das práticas’. Na presente comunicação, a partir de narrativas de oito mestres, pretende-se analisar quais as suas representações sobre como a investigação as influencia nas tomadas de decisão no seu quotidiano pedagógico, bem como a pertinência dessa componente formativa na tomada de consciência do seu processo de aprendizagem profissional. O estudo aponta para a progressiva consciência das mestrandas acerca de como a pesquisa as ajuda a sustentar as aprendizagens profissionais.

Ana Rita Tavares e Ana Cristina Almeida

Bolonha e as gerações seguintes: significado na vivência e formação dos Estudantes. Recados para o amanhã

Decorridos 10 anos da Reforma de Bolonha do Ensino Superior é tempo de fazer um balanço e prevenir o futuro, permitindo que durante a sua formação os Estudantes adquiram e aperfeiçoem os seus conhecimentos e competências para a aprendizagem ao longo da vida, para um desempenho profissional bem-sucedido, satisfação pessoal e adequação social.
Com a finalidade de caracterizar a atual população estudantil, no que se refere ao significado atribuído à sua vivência e perceção da sua formação, pedimos a estudantes de Psicologia que respondessem a um questionário acerca do conhecimento que têm da Reforma de Bolonha e ao modo como gerem as suas atividades académicas, circum-escolares e vida pessoal, chamando, simultaneamente, a atenção para a necessidade do seu envolvimento e participação na planificação e avaliação do seu processo de formação. Constatamos que a atitude predominante é de pouca autonomia e consciencialização, o que contrasta com as intenções do Diploma Europeu de Psicologia.

Luís Sérgio Vieira e Isaquiel Sanches Fernandes

Adaptação institucional e ao estudo de alunos cabo-verdianos no ensino superior: o papel da comunidade académica e do bem-estar psicológico

A transição para o ensino superior constitui um processo que incorpora satisfação, alegria, entusiasmo, etc., bem como pode aliar expressões emocionais contrárias, como receios, inquietude, entre outros. O processo de adaptação ao ensino superior poderá acentuar uns ou outros, com consequências na integração do aluno. Com recurso a um estudo descritivo e transversal, investigámos a adaptação ao ensino superior numa amostra de 200 alunos cabo-verdianos. Avaliámos a influência de fatores demográficos, do suporte social e do bem-estar psicológico nas competências adaptativas ao ensino superior, nas dimensões institucional e do estudo. Os resultados sugerem que as variáveis demográficas, admissão no estabelecimento de ensino superior desejado e comunidade académica; e as variáveis psicológicas, domínio do meio, objetivos na vida, relações positivas com os outros são importantes preditores nas dimensões avaliadas da adaptação ao ensino superior dos estudantes cabo-verdianos.

Francisco Gilson Rebouças Porto Jr., Daniela Barbosa de Oliveira

A Formação pós Bolonha: acertos e redireccionamentos na formação em Comunicação Social/ Jornalismo

A comunicação apresenta um estudo sobre a formação em 1º, 2º e 3º ciclos, fruto da tese de doutoramento e das pesquisas de pós-doutoramento sobre Bolonha em desenvolvimento junto a universidades portuguesas. O curso de Comunicação Social/Jornalismo, desenvolvido em quatro universidades portuguesas, torna-se ilustrativo dos desafios vivenciados em âmbito nacional. Dessa forma, esta comunicação mergulhará em diversos aspectos do Processo de Bolonha, tendo como objetivos: compreender os processos formativos realizados pelas instituições objeto do estudo em Portugal; e, avaliar o impacto dos macroprocessos de ajustes educacionais/jurídicos nos currículos. Conclui-se que, ao longo dos anos, as instituições universitárias envolvidas em Bolonha vêm desenvolvendo expertise nos processos de formação em 1º, 2º e 3º ciclos. Apesar dos avanços Bolonha as dificuldades no alinhamento pedagógico das estruturas curriculares são evidentes.

EIXO 2. EDUCAÇÃO, COMPETÊNCIAS E MERCADO DE TRABALHO

SESSÃO 1

Quinta Feira – 17.15-18.30h - Sala 4.2
Moderador: CARLOS MANUEL FOLGADO BARREIRA

Maria Calado Henriques, Ema Patrícia Oliveira

Criatividade em estudantes universitários: Contributos para a validação da escala CPAC para a população portuguesa

Entendida como uma competência transversal fundamental no Ensino Superior, a criatividade permite uma melhor eficácia na resolução de problemas, facilitando a adaptação às mudanças e exigências na sociedade atual e, em particular, no mercado de trabalho. Face à escassez de instrumentos disponíveis para a avaliação deste construto, pretendeu-se com este estudo contribuir para a adaptação da escala Cognitive Processes Associated with Creativity (CPAC) para a população portuguesa. Participaram no estudo 319 estudantes da UBI (51,4% mulheres) de diversas Licenciaturas. Face à análise fatorial realizada, a CPAC sofreu algumas alterações, revelando índices de consistência interna satisfatórios. Verificaram-se correlações positivas entre os resultados na CPAC e o rendimento académico, uma correlação negativa com a idade e melhores pontuações no género feminino. Conclui-se com uma análise das implicações do estudo para o Ensino Superior.

Alfredo Bravo Marques Pinheiro, Maria Deuceny da Silva Lopes Bravo Pinheiro, Carlos Manuel Folgado Barreira, Maria da Piedade Vaz Rebelo

A educação técnica e tecnológica e a formação pedagógica: resultados preliminares de um estudo de caso

Esta comunicação traz uma abordagem sobre a preocupação quanto à formação pedagógica dos docentes que atuam na educação profissional e tecnológica, seus anseios e o distanciamento entre a formação específica e pedagógica. A estratégia brasileira para o desenvolvimento reformou e ampliou o sistema de educação técnica e tecnológica buscando competir no mercado internacional. Essa ampliação na oferta de vagas trouxe uma problemática: a carência de docentes com qualificação acadêmica e pedagógica. A presente comunicação apresenta resultados preliminares de um estudo de caso realizado com docentes em um Instituto Federal, onde foi possível registrar as percepções sobre a formação didático-pedagógica no cotidiano escolar e refletir sobre a importância da formação que agregue teoria e prática.

Francisco Gilson Rebouças Porto Jr. e Ana Lúcia Petrocione

O Quadro Europeu de Qualificações: Avanços e críticas ao modelo de competências

A comunicação apresenta um estudo sobre o Quadro Europeu de Qualificações, fruto da tese de doutoramento e das pesquisas de pós-doutoramento sobre Bolonha em desenvolvimento junto a universidades portuguesas. Descreve o contexto que deu origem ao quadro, o expõe como uma das ações para consolidação das práticas formativas e discorre sobre resultados e críticas advindas de sua implantação. Perpassa pela Declaração de Sorbonne (1988), pela Declaração de Bolonha (1999) e outras ações que se seguiram para promover a convergência dos sistemas de ensino europeu e favorecer a mobilidade de estudantes, de professores e trabalhadores nos países da União Europeia. Problematiza a implantação do quadro, e os acompanhamentos e estudos para identificar se esse metaquadro surtiu os efeitos desejados.

SESSÃO 2

Sexta feira - 09.00-11.00h - Sala 4.2
Moderador: Armanda Pinto Mota Matos

Amanda R. Franco, Leandro S. Almeida

O lugar do pensamento crítico no Ensino Superior Pós Bolonha: Dados Empíricos e Considerações Teóricas

O Processo de Bolonha, visando a reestruturação do Ensino Superior para potenciar a qualidade do ensino, da investigação e internacionalização na Europa, despoletou acções transformativas de um paradigma educativo que não cumpria mais o seu papel. Uma atitude activa e comprometida parece ser agora condição sine qua non para o sucesso dos alunos. Centramo-nos aqui na relevância académica, profissional e social do Pensamento Crítico. Define-se o conceito, identificam-se os desafios de agentes educativos/instituições, analisam-se dados empíricos que enfatizam a pertinência desta competência transversal e, por fim, considera-se o seu desenvolvimento no Ensino Superior. Este conjunto de competências cognitivas e de atitudes que motivam o uso dessas competências e da base de conhecimentos para aumentar as possibilidades de sucesso é essencial para enfrentar os desafios pessoais, profissionais e sociais, e permite uma postura proactiva assente numa lógica de aprendizagem ao longo da vida.

Bárbara Guimarães e Emília Araújo

Os projetos e interesses dos alunos das Licenciaturas do ICS-UM

Esta investigação versa sobre os interesses e projetos profissionais dos alunos do 3º ano das Licenciaturas do ICS na Universidade do Minho e baseia-se num inquérito por questionário realizado a 113 alunos. A partir de enquadramentos teóricos diversos relacionados com as implicações do modelo de Bolonha, observa-se as principais conclusões que apontam para o facto de os alunos consideram haver uma progressiva desvalorização da licenciatura, algo incompatível com as suas primeiras representações sobre a formação no Ensino Superior. Os resultados destacam a interiorização da ideia sobre a necessidade de formação contínua e potencialmente realizada noutras áreas científicas.

Ana Souto e Melo

Processo de Bolonha e o repensar do papel do ensino superior: um ensino centrado na aquisição de competências

No âmbito do PB, é dada grande importância à aquisição de competências, realçando-se também o equilíbrio entre as competências específicas e genéricas, denominadas como essenciais na compatibilização das dimensões educativas com as exigências do mercado de trabalho. Com a presente proposta refletimos sobre o novo papel do ES no ensino centrado na aquisição de competências. Apresentamos ainda resultados de um estudo de casos comparativo sobre as competências mais valorizadas num curso lecionado em duas instituições de ES português. Trata-se de um estudo qualitativo, em que se recorreu a grupos focais e entrevistas a coordenadores, professores e alunos, e à análise documental de programas e regulamentos. Os resultados apontam para a discrepância de significados atribuídos a competência, para programas sem enunciação de competências, para a enunciação de competências específicas em detrimento das genéricas e, apesar de estas serem as mais valorizadas, são as específicas que são avaliadas.

Jorge Lameiras

Influência do Processo de Bolonha e da Estratégia de Lisboa no discurso programático dos Governos em Portugal

Aos diferentes regimes políticos correspondem valores sociais distintos, uma valorização diversa do papel do Estado na promoção do bem-estar e na proteção social, e um entendimento variável acerca da prioridade da educação nas funções do Estado e no desenvolvimento do capital humano da sociedade. Os estudos comparativos realizados em particular com países da OCDE revelam a existência de tipologias de regimes políticos, aos quais correspondem diferentes modelos de intervenção do Estado na sociedade. Os diferentes partidos com responsabilidade executiva do Estado, atribuem uma valorização diversa ao papel dos vários níveis educativos, bem como do ensino vocacional. Em simultâneo com a integração de Portugal no Processo de Bolonha e no quadro da Estratégia de Lisboa, ocorreram ajustes na ênfase ideológica e no discurso nos Programas de Governo portugueses, que sugere uma aceitação e orientação pragmática para os mecanismos e interesses do mercado de trabalho europeizado / globalizado.

Armanda Matos, Ana Maria Seixas, Isabel Festas, José Ignacio Aguaded-Gomez, Luis Romero Rodriguez, Ana Castro Zubizarreta

Competências de literacia mediática no ensino superior

Os meios de comunicação têm vindo a ocupar um espaço de crescente dimensão e relevância na sociedade, impregnando os diferentes contextos de acção e de interacção no quotidiano dos cidadãos.
Neste cenário comunicacional, a literacia mediática surge como uma condição essencial para o exercício de uma cidadania participativa na sociedade da informação.
Esta comunicação visa contribuir para a reflexão sobre a importância de promover o desenvolvimento de competências de literacia mediática no ensino superior, que permitam aos estudantes, enquanto futuros profissionais, aceder aos media, compreender e criar mensagens e produtos mediáticos.
Apresentar-se-á um projecto de investigação em curso, no âmbito da rede euroamericana Alfamed, que tem como objectivo conhecer o nível de competências de literacia mediática nos diferentes países participantes, nomeadamente dos estudantes do ensino superior, e oferecer orientações para o desenvolvimento de propostas formativas adequadas e eficazes.

SESSÃO 3

Sexta feira - 09.00-11.00h - Sala Anexa
Moderador: VITOR GAMBOA

Sílvia Monteiro e Adela García-Aracil

Perceção de competências e de preparação para a transição para o mercado de trabalho: O efeito do género e das experiências de trabalho durante o ensino superior

Este estudo pretende apresentar a influência de experiências de trabalho e do género nas perceções de competências e preparação para o mercado de trabalho, junto de estudantes universitários. Para tal, aplicou-se um questionário a 420 alunos finalistas de mestrado, dos anos letivos de 2013/2014, avaliando a sua perceção de competências desenvolvidas ao longo da formação superior e da preparação e expectativas de sucesso na transição para o mercado de trabalho. Os principais resultados obtidos apontam para: (i) a inexistência de diferenças entre grupos relativamente à perceção de competências desenvolvidas ao longo do ensino superior; (ii) um efeito de interação entre as experiências de trabalho e o género sobre a perceção de preparação para a transição para o mercado de trabalho.

Carlos Reis, António Castro Fonseca, Maria das Dores Formosinho e Marta Oliveira

Um diploma de Ensino Superior ainda valerá a pena?

Utilizando dados de um estudo longitudinal no qual várias centenas de alunos foram seguidos desde os primeiros anos do ensino básico até aos últimos anos da vintena, coincidente com o período do Processo de Bolonha, esta comunicação tem como principal objectivo explorar o impacto que a conclusão de um curso superior terá nos primeiros anos da adultez em Portugal, designadamente, no desempenho profissional, na saúde mental, na participação cívica e política, no respeito pelos valores e normas sociais ou, ainda, na satisfação com a vida. Para tal os participantes foram distribuídos em dois grupos (os que concluíram um curso superior e os que não o concluíram) e comparados em diversas medidas relativas aos domínios em apreço. O grande impacto do ensino superior far-se-ia sentir, antes de mais, na adaptação social e na participação cívica dos jovens adultos. Nos outros domínios, se exceptuarmos o estatuto profissional e o salário, poucas diferenças se registaram.

Vítor Gamboa, Olímpio Paixão, João Gomes, Alex Silva

Empregabilidade percebida, adaptabilidade de carreira e autoeficácia na transição para o trabalho: estudo comparativo entre estudantes do ensino superior com e sem experiência de trabalho

Os construtos adaptabilidade, empregabilidade percebida e a auto-eficácia são apontados como ferramentas essenciais no desenvolvimento e gestão da carreira, muito em particular para os estudantes do ensino superior. A literatura tem vindo a sugerir a relevância das experiências de trabalho na promoção de competências facilitadoras da transição para a vida profissional. No presente estudo (N=391, 80,6% - feminino) tivemos como objetivo analisar de que forma os estudantes do ensino superior se diferenciam ao nível da adaptabilidade de carreira, da autoeficácia e da empregabilidade percebida, considerando a sua participação ou não em experiências de trabalho. As análises de covariância (ANCOVAS) revelaram diferenças estatisticamente significativas, favoráveis aos estudantes com experiência de trabalho, ao nível da autoeficácia na transição para o trabalho e em algumas dimensões da adaptabilidade de carreira. São discutidas implicações para a intervenção vocacional no ensino superior.

EIXO 3. DILEMAS, DESAFIOS E POTENCIALIDADES DA PROFISSÃO DOCENTE APÓS BOLONHA

SESSÃO 1

Sexta feira - 09.00-11.00h - Sala 4.8
Moderador: DENISE APARECIDA BRITO BARRETO

Clementina Nogueira

O portefólio de docência como evidência do trabalho intelectual associado à dimensão pedagógica da profissão docente no Ensino Superior

As reformas de Bolonha colocam a dimensão pedagógica da profissão docente no Ensino Superior em destaque. A valorização da investigação em contraste com a atividade docente propriamente dita deriva, provavelmente, de uma suposta objetividade que lhe advém da visibilidade e da validação pelos pares; a docência por ser fundamentalmente uma atividade solitária tem dificuldade em impor-se em pé de igualdade. Propomos nesta comunicação o recurso ao portefólio de docência como forma de tornar visível, pública e suscetível de avaliação pelos pares a dimensão pedagógica da profissão docente no Ensino Superior. O portefólio de docência elaborado de forma colaborativa permite demonstrar que ensinar é uma forma de trabalho intelectual (indagação da pedagogia/scholarship of teaching and learning) tal como a investigação e que permite, em simultâneo, ultrapassar a “solidão pedagógica”. Serão apresentados, adicionalmente, exemplos de portefólios construídos por docentes do Ensino Superior.

Manuel Carlos Chaves e Maria do Rosário Pinheiro

Boas práticas docentes no ensino superior: uma questão de autoeficácia individual e coletiva

Pretende-se relacionar a autoavaliação das boas práticas docentes com a perceção da autoeficácia (AE) individual e coletiva numa amostra de 212 professores de 21 escolas de enfermagem públicas portuguesas.
Os resultados obtidos mostram a associação positiva das medidas de AE individual geral (General Self-Efficacy Scale de Schwarzer & Jerusalém, versão portuguesa de Fontaine & Coimbra, 1999) e AE individual do professor (Teacher Efficacy Scale de Gibson & Dembo, versão portuguesa de Ribeiro, 1998). Expressivas mas de baixa magnitude foram as correlações entre a medida de AE coletiva e as medidas de AE individual geral e do professor.
As análises de regressão revelaram que as variáveis de perceção de AE do professor (crença de que possui capacidade para fazer o aluno aprender) são as que detêm maior poder preditivo em relação a cada uma das boas práticas, como “o uso de metodologias e técnicas de aprendizagem ativa” e “respeitar a diversidade de background e de formas de aprendizagem”.

Carla Galego

Processo de Bolonha e a Construção do Espaço Europeu de Educação Superior: experiências vividas e narradas por professores universitários

A União Europeia construiu uma série de mecanismos e plataformas com o objetivo de criar um Espaço Europeu de Educação Superior. O processo de Bolonha é a plataforma Europeia que mais visibilidade tem e é também aquela que mais objetiva e explicitamente conduziu a reformas nas políticas dos sistemas educativos nacionais. Em termos pedagógicos, o processo de convergência europeia alterou alguns dos principais referentes clássicos da conceção de ensino por via da alteração do processo de aprendizagem centrado no aluno e não na transmissão de conhecimento do professor. A partir das experiências vividas e narradas por professores universitários portugueses e espanhóis, entre 2009 e 2011, pretende-se com esta comunicação dar a conhecer se as alterações no contexto de trabalho docente se devem ou não às reformas políticas desenvolvidas no quadro do processo de convergência europeia, em geral, e ao processo de Bolonha, em particular. Identificam-se também novos desafios na profissão.

António Gomes Ferreira e Luís Mota

The educational policy of formation of teachers to preschool education and 1st and 2nd cycles of basic education in Portugal under the framework of the European Higher Education Area (2007-2015)

On a context of hegemonic globalisation translated into the adoption of measures considered essential to structure the European Higher Education Area (Bergen, 2005), under the definition of the European Credit Transfer System (ECTS), the adoption of a unique system of degrees, through an Anglo-Saxon approach, and the establishment of an evaluation system ensuring of quality and accreditation, such as the “Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior” (A3ES), coordinated both national and transnationally, we intend to discuss the options of educational policies for the formation of teachers whose degree of autonomy, appears embodied on the measures adopted by the latest constitutional governments, namely on the access conditions, domain of objectives and the duration and structure of the 1st and 2nd cycles of formation of teachers to preschool and basic education, respectively.

Denise Aparecida Brito Barreto, Albertina Lima Oliveira, Ana Maria Seixas

O processo de Bolonha e os impactos no ensino superior: análise do discurso de docentes

Esta comunicação intenciona refletir sobre os efeitos na educação contemporânea do processo de Bolonha em Portugal, apreendendo os dilemas, os desafios e as potencialidades na profissão docente no ensino superior. Inicialmente abordaremos as principais mudanças esperadas com a implementação do referido processo. Analisaremos de seguida os dados de entrevistas semiestruturadas realizadas a quatro professores, informantes-chave, de diferentes universidades de Portugal, sobre o impacto de acontecimentos pós-Bolonha, especialmente no que respeita a temas como a formação de professores, práticas docentes e autonomia. Utilizaremos como referencial teórico-metodológico a Análise do Discurso inspirada em Mikhail Bakhtin, através do seu dialogismo e nos ancoraremos na sua concepção de linguagem que toma todo enunciado produzido em um contexto histórico, cultural e social como um enunciado concreto em relação à produção, recepção e circulação de textos entre seres socialmente organizados.

EIXO 4. MOBILIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO +
EIXO 6. RECONHECIMENTO E GARANTIA DE QUALIDADE

SESSÃO 1

Sexta feira - 09.00-11.00h - Sala 4.1
Moderador:

Álvaro Nieto Ratero, José Ángel Ayllón Gómez , Raúl Miguel Malmierca

As políticas de educação em espanha e a influência de Bolonha: convergências e divergências

O processo de Bolonha (1999/2010) acarreta alterações na legislação relativa a títulos universitários e à convergência dos mesmos a nível europeu. Estas marcaram o início do chamado "processo de construção do Espaço Europeu de Educação Superior", incluindo a criação de um sistema flexível de qualificação entre os países, reconhecendo as qualificações e promovendo a mobilidade dos estudantes. Espanha decidiu alterar a legislação, enfatizando o mestrado em detrimento da licenciatura, e gerando controvérsia e debate. O objetivo principal desta apresentação é refletir e discutir as origens e as causas da política educacional em Espanha, assim como as consequências do "Processo de Bolonha", tendo por base a legislação europeia e espanhola.

Liliana Moreira e Rui Gomes

Os perfis dos estudantes em mobilidade no sistema mundo

A comunicação visa apresentar uma comparação entre os dados da mobilidade académica antes e após a implementação do Processo de Bolonha na União Europeia, considerando o ano académico de charneira 2007-2008. Esta comparação terá por base a divisão dos países europeus no sistema-mundo enquanto países centrais, semiperiféricos e periféricos. Paralelamente, serão apresentados os perfis dos estudantes de mobilidade de uma universidade situada num país central, a Universidade de Groningen, nos Países Baixos e de uma universidade situada num país semiperiférico, a Universidade de Coimbra, em Portugal. A metodologia utilizada foi o inquérito por questionário aos estudantes em mobilidade e a análise descritiva correlacional. Os estudantes em mobilidade tendem a deslocar-se para os países centrais e identificamos dois perfis de estudantes em mobilidade nos países centrais e nos países semiperiféricos.

Sandra López, Maria do Rosário Pinheiro, Carlos Barreira

O conceito de qualidade no espaço europeu de ensino superior (EEES): Dimensões e Discurso

Em consonância com as preocupações nacionais, desde a assinatura da Declaração de Bolonha em 1999, um foco de atenção do Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) tem sido a procura e garantia da qualidade. Esta tem vindo a ser reforçada em subsequentes comunicados e relatórios que dão conta do desenvolvimento dos processos e do grau de cumprimento dos acordos, bem como dos principais desafios que lhes dizem respeito.
Considerando o papel do discurso como promotor da transformação, assim como da sua compreensão e concretização pelos distintos agentes, esta comunicação pretende fornecer uma análise das diferentes dimensões da qualidade subjacentes aos discursos promovidos no marco do EEES. Às dimensões que assentam na tradicional abordagem de eficiência, eficácia e relevância para a economia é mais recentemente integrada a equidade, cuja pertinência neste agitado panorama mundial é evidente e nos remete para a dimensão social da educação.

Eliana Nubia Moreira

O fator Humano como diferencial na relação ensino-aprendizagem: construindo um caminho fenomenológico

É emergente a reflexão em torno do sistema educacional e a necessidade de mudanças no paradigma pedagógico em dimensões que prezem pela qualidade científica, pedagógica e humana, mediante os desafios sociais atuais. Este ensaio serve de base às reflexões que intensificam discussões sobre a qualidade dos processos educativos, valorizando o pensamento humano como sendo uma exigência da razão em se tornar parte ativa de um esforço sistemático de descoberta, interpretação e atuação. Enfatiza concepções teóricas de produção de conhecimentos promotores do desenvolvimento intelectual e psicossocial dos estudantes do ensino superior, bem como a autonomia a partir da capacidade de reflexão crítica do conhecimento, capacitando-os para uma forma diferente de apreender a realidade do mundo, desenvolvendo competências transversais e uma aprendizagem vivencial e transformacional na prática do ato de investigar, ensinar, aprender e atuar, visando qualidade de vida e compreensão do fenómeno humano.

Helena Neves Almeida

Potencialidades e limites do ensino pós-Bolonha. Ponderações analíticas sobre a especificidade da formação em serviço social em Portugal

A introdução de alterações tendentes à harmonização do ensino no espaço europeu, com implementação da Declaração de Bolonha, produziu aspetos positivos no plano do ensino e da investigação, superando constrangimentos ocorridos no momento e processo de adaptação da formação existente aos requisitos normativos. Neste contexto, a cultura de ensino universitário e a identidade formativa (onde se inscreve a duração, estrutura, integração no ensino público ou privado e ligação ao mercado de trabalho) não foram variáveis passivas. O Serviço Social, ainda recente na rede de ensino universitária pública em Portugal, não ficou imune às transformações ocorridas na área das ciências sociais e humanas. Esta comunicação visa situar as principais questões orientadoras da formação nesta área de conhecimento no período pós-Bolonha, incidindo a análise sobre a influência das alterações curriculares e metodológicas no processo de construção do pensamento crítico.

EIXO 7. DIMENSÃO SOCIAL, EQUIDADE E EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

SESSÃO 1

Quinta feira - 17.15-18.30h - Sala 4.4
Moderador: ANA CRISTINA BRITO ARCOVERDE

Arilda Arboleya, Fernando José Ciello , Simone Meucci

Docência e Negritude: três trajetórias para pensar a Universidade em contextos periféricos

Um olhar para as universidades públicas brasileiras evidencia que, a despeito da população nacional ser de maioria negra, este é um espaço branco. Tal fato, proveniente da histórica engenharia social na qual o negro tem lugar natural nos estamentos mais pobres, coloca em pauta as barreiras estruturais e simbólicas que se interpõem em suas trajetórias educacionais: oportunidades de acesso, possibilidades de ascensão, impactos sobre a subjetividade dos sujeitos. Tomando, assim, a educação como um expoente das tensões sócio-estruturais locais, propõe-se aqui analisar as trajetórias sociais de três docentes negros, problematizando os desafios e potencialidades do ensino superior brasileiro enquanto instrumento de promoção de justiça social e de uma cidadania inclusiva e, consequente a ela, da possibilidade do país em figurar no concerto das nações desenvolvidas. Emprega-se, neste esforço, a metodologia de história oral.

Ana Cristina Brito Arcoverde e Cristina Pinto Albuquerque

(In)equidades do Ensino Superior pós Bolonha. Entre oportunidades e limitações, os caminhos tortuosos da relação entre Justiça Social e Universidade em Portugal e no Brasil

A reflexão sobre a relação entre educação e justiça social, que aqui nos ocupa em particular, parte do pressuposto não só que a educação é ao mesmo tempo produto e produtora de justiça, ou de injustiça, mas também, que os pressupostos e princípios de justiça, abordados sob o ponto de vista das oportunidades, do mérito ou dos resultados, determinam as políticas educativas e a forma como a educação é pensada, concretizada e avaliada, por referência às finalidades que procura atingir. Com efeito, a escola, e em particular a Universidade, pode ser um locus de reprodução de desigualdades e de contradições sociais, ou um princípio fundamental de emancipação e mobilidade social. Será suficiente, sob este prisma, a garantia formal de igualdade no acesso? Não será a Universidade desde logo um produto de condições, favoráveis ou desfavoráveis, a montante? Quais as finalidades que pode e deve cumprir e sob que princípios? Tais questões, estruturantes de uma reflexão sobre a equidade no ensino superior, serão discutidas, na presente comunicação, à luz dos desafios e paradoxos colocados pelo processo de Bolonha, nomeadamente no que concerne à retórica de competências e empregabilidade que lhe está subjacente.

Carlos Eduardo Pereira e Cristina Pinto Albuquerque

A integração de pessoas com deficiência nas universidades brasileiras: Reflexões e possibilidades daquele modelo ao ensino superior europeu pós Bolonha

Esta produção trata como a conceção de justiça, e os princípios que lhe subjazem, influenciam a narrativa teleológica educacional. Para isso enfatiza-se as implicações e contributos das perspetivas igualitaristas para o debate atual sobre as políticas educativas, de modo específico, às políticas compensatórias e de inclusão. Assim, procurar-se-á discutir, as insuficiências e paradoxos das políticas de quotas e sua garantia de igualdade de oportunidades para pessoas com deficiências no Brasil e em Portugal. Com isso, tratar a finalidade da universidade e sua competência funcional na efectividade de acesso ao mercado de trabalho e à produtividade; fatores associados à perspetiva de Bolonha param o ensino superior. Estará a Universidade actual a contribuir para uma verdadeira integração e participação socioeconómica da pessoas com deficiência? Ou pelo contrário a centração em competências funcionais estará a contribuir para a cada vez maior dissociação entre a retórica e a prática?

SESSÃO 2

Sexta- feira - 9.00-11.00h horas - Sala 4.4
Moderador: ANTONIO JOSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA

Maria Jorge Ferro, Cristina Coimbra Vieira, Luiza Nobre Lima

A experiência universitária promove a equidade entre mulheres e homens? – Análise das organizações de/para estudantes em 2015

A Universidade como instituição de ensino, aprendizagem, investigação, criação de conhecimento, lugar ou espaço/tempo para a mudança de paradigmas no sentido da efectiva experiência de uma Humanidade mais humana é o eixo norteador da comunicação que propomos. A Universidade como instituição que se pretende que assegure a equidade entre mulheres e homens, entre alunas e alunos, com vista ao garante da construção de sociedades mais justas.
Partindo das abordagens da psicologia e da educação, trazemos um estudo que aborda indicadores de perpetuação de paradigmas sociais e relacionais assentes num desenho patriarcal da sociedade portuguesa de (1) como esse modelo se tem mantido dentro da própria instituição universitária; de (2) como esse modelo não serve a expectativa de garante de igualdade de oportunidades para todas e todos dentro da Universidade; de como, em suma (3) o modelo patriarcal na Universidade perpetua as desigualdades entre mulheres e homens, as desigualdades em si mesmas.

Lígia Feitosa e Claisy Marinho-Araújo

A atuação da Psicologia escolar nos Institutos Politécnicos: reflexões no eixo Portugal-Brasil

O contexto universitário nos últimos anos passou por transformações importantes quanto ao alargamento da base sociocultural dos seus candidatos e também no preparo do estudante e da comunidade académica para questões do sucesso na formação académica e no acesso dos diplomados ao mercado de trabalho. Neste sentido, Portugal e Brasil têm implementado políticas educacionais para garantir a democratização do acesso e expandir a formação profissional qualificada na educação superior. Nesse estudo, o cenário adotado como recorte foi o dos Institutos Politécnicos em Portugal por possuírem relações institucionais congéneres com os Institutos Federais no Brasil, a fim de investigar os serviços de apoio psicológico nestas instituições de ensino superior, nomeadamente as suas estruturas, os seus profissionais, os seus objetivos e práticas instituídas. A expectativa é descrever e analisar estes serviços face ao tipo de demandas da comunidade académica, comparando as realidades dos dois países.

Elane Cristina Tonin

Os estudantes adultos e a equidade de acesso ao Ensino Superior

O trabalho dialoga com a educação de adultos e o ensino superior, diálogo estabelecido pela análise das provas que permite o acesso ao ensino superior para os estudantes adultos, no contexto da abertura do ensino superior aos “Maiores de 23 anos” pela via do Decreto-Lei n.º 64/2006, em Portugal. Como os estudantes considerados “não tradicionais” são avaliados no âmbito do concurso, processo que envolve provas de conhecimentos gerais/especificos, análise do currículo e entrevista, a comunicação centrar-se-á na análise dos dados observados numa universidade pública, dados registrados no acompanhamento da realização das provas do Concurso Maiores de 23 (provas, análise do currículo e a entrevista), visando redimensionar e discutir em que medida essas provas são dispositivos que contribuem ou não para a equidade no acesso dos estudantes adultos ao ensino superior em Portugal.

Cristina C. Vieira

"Sexistas são os outros"! Olhares (a)críticos sobre formas de discriminação social em estudantes finalistas de licenciaturas. Um estudo exploratório feito na Universidade de Coimbra

Considerando a importância de um olhar crítico sobre a realidade de qualquer pessoa, quer como cidadã, quer como profissional, tendo em vista a identificação, o combate e a prevenção de formas implícitas e explícitas de discriminação social, seja qual for a categoria em análise, neste estudo foi nosso objectivo compreender as noções de sexismo, feminismo e machismo de finalistas de três cursos de Ciências Sociais e Humanas, na Universidade de Coimbra. Tratou-se de um estudo exploratório de natureza quantitativa, através de um questionário aberto, que envolveu 140 estudantes.
A análise de conteúdo das respostas revelou uma clara apropriação incorrecta dos conceitos e a visão distorcida dos estudantes sobre as questões estruturantes que estão na base das estereotipias de género e das consequentes desigualdades sociais entre homens e mulheres. As conclusões obtidas levam-nos a uma reflexão sobre o papel das e dos futuros profissionais no exercício das suas competências para a intervenção individual ou em grupo, em problemáticas que assentem em opressões várias, derivadas das diferentes pertenças identitárias de cada pessoa, sabendo que a necessária tomada de consciência crítica é deficitária ou mesmo um óbice ao exercício profissional, tendo em vista o bem comum.

Antonio José Barbosa de Oliveira e Libânia Nacif Xavier

Democratização da educação superior e ações afirmativas: Uma perspectiva da ampliação da cidadania na docência e na gestão universitária federal Brasileira

Aborda a implantação de políticas de ações afirmativas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Tais políticas são concebidas como desmembramento das pressões organizadas dos movimentos sociais e como dispositivos do Estado para democratização do acesso às universidades públicas brasileiras, revertendo uma curva de exclusão que marcou a história da educação superior no país. Apresenta o cenário atual dos desafios para a instituição, no que se refere às condições de afiliação estudantil (COULON, 2008), com novas demandas dos estudantes de classes populares, que reivindicam novas práticas pedagógicas e ações administrativas para a viabilização da permanência. Diante da realidade contemporânea a comunicação aponta os desafios para a docência e a gestão universitária, sobretudo no atual contexto, marcado pela expansão de vagas acompanhada da crise de financiamento dos recursos públicos.

EIXO 8. MODELO DE BOLONHA E REORGANIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A NÍVEL MUNDIAL

SESSÃO 1

Quinta-feira – 17.15-18.30h - Sala: 4.8
Moderador: MARIA JORGE FERRO

Georgina Quaresma Lustosa e Maria Teresa Pessoa

A Educação Universitária e a Formação do Professor no Brasil: Possíveis Influências do Processo de Bolonha

O objetivo deste texto é refletir a complexidade da sociedade pós-moderna e suas consequências na formação do professor universitário. Nesta perspectiva, a intenção é refletirmos as possíveis influências do Processo de Bolonha na educação universitária brasileira. Nesta discussão, pontuamos, especialmente, as atuais iniciativas do governo federal de desenvolver uma política educacional de natureza supranacional com a criação de três universidades públicas federais que atendam a critérios de transnacionalização da educação superior bem como a reestruturação das universidades como um todo. Para consecução do estudo procuramos dialogar com Boavida (2010), Leite (2005), Dias Sobrinho (2009), Azevedo, Catani & Lima (2009) e outros autores que vêm discutindo as tendências europeias nos espaços da educação superior brasileira.

Ester Maria Figueiredo Souza e Denise Aparecida Brito Barreto

Acordo de Bolonha: recorrência em anais da Anped (2000/2015)

Não é tarefa fácil discorrer sobre as transformações que ocorrem na Educação, em particular nos vinte e nove países europeus que assinaram o acordo de Bolonha, e por tudo que tem se comentado e escrito acerca deste problema. No entanto, essa dificuldade não pode ser empecilho para reflexão sobre o tema, principalmente se o nosso desejo é o de contribuir para o entendimento dos reflexos desse acordo sobre todos os envolvidos. Objetivamos realizar um levantamento sobre a recorrência de trabalhos que abordem o termo Acordo de Bolonha em anais electrónicos disponíveis do sítio da Associação Nacional de Pesquisa em Educação ( ANPED), Brasil, nos anos de 2000 a 2015, reunindo , assim, um corpus para constituição de estudos futuros.

Maria Deuceny da Silva Lopes Pinheiro e Alfredo Bravo M. Pinheiro

Ensino Superior e a Educação integral no Estado do Espírito Santo: Contributos para a sua compreensão

A presente comunicação pretende verificar como o Ensino Superior no estado do Espírito Santo, Brasil, tem abordado a educação integral nos últimos anos. Dentro de um recorte temporal de seis anos (2009-2015) buscou-se levantar as investigações, linhas de pesquisa e produções científicas desenvolvidas pela Universidade Federal do Espírito Santo- UFES, sobre o tema. Avançou-se, ainda, para a identificação da estrutura curricular e as componentes de caracterização do curso de Pedagogia da UFES e do Centro Universitário São Camilo, ES, nomeadamente os objetivos, ementas e bibliografia, identificando como a educação integral tem estado presente na estrutura curricular deste curso naquelas instituições. Esperamos com isto, compreender melhor de que modo a formação no ensino superior se adequa à ênfase dada ao discurso oficial.

Maria Jorge Ferro e Manuela Vilar

Que Universidade? Da “missão” ao pragmatismo: Depois de Bolonha, o quê?

A Missão da Universidade é apresentada por recurso à reflexão a partir da consulta de documentos diversos (da história, pela filosofia, à constituição da Universidade como Instituição) acerca do papel que tem cabido a esta Instituição de criação de saber, de conhecimento, de saber fazer.
A Universidade como Escola é re-pensada no sentido de questionar qual o seu papel nos dias de hoje, qual a sua mais valia ou importância enquanto Instituição de ensino e enquanto Instituição que sabe e faz investigação.
Interrogam-se ainda as organizações de estudantes e “jovens” investigadores, entrecruzam-se reflexões acerca das ideias de missão e trabalho, ensino e aprendizagem. Ponderam-se os diferentes papéis que cabem aos seus actores cruciais: docentes e estudantes, investigadores e sociedade civil. Do que tem sido ao que se perspetiva que venha a ser/possa vir a ser A Universidade é o objectivo central da apresentação que recorrerá à sinopse histórica para conduzir a alternativas de futuro.

COMUNICAÇÃO EM POSTER CIENTÍFICO

Albertina Oliveira

A pedagogia contemplativa no ensino superior: Uma via para a sua renovação e transformação

O presente poster visa chamar a atenção para a importância do papel e relevância da pedagogia contemplativa no ensino superior, enquanto abordagem inovadora alinhada com o novo horizonte paradigmático na concetualização do “humano” requerido pela pedagogia do século XXI.
Numa lógica de aproximação ao conceito de aprender a ser, proposto por Faure et al. (1972), o movimento da educação contemplativa e os principais princípios em que assenta serão explicitados, assim como será salientada a sua importância na superação das limitações da instrução técnica, instrumental e racional que continua a dominar a cultura educacional no ensino superior (Barbezat & Bush, 2014).
Igualmente se apontarão práticas e métodos contemplativos e a sua relação com a renovação e transformação necessárias no ensino superior através das lentes dos principais resultados da investigação científica.

Ana Paula Couceiro

A instrumentalidade dos portefólios no processo ensino-aprendizagem: estudo com docentes do ensino superior português

Damos conta dos resultados obtidos com docentes do ensino superior, quanto à utilização e perceção de funcionalidade de portefólios de ensino-aprendizagem, nas unidades curriculares que leccionam. Tentamos perceber de que formas estes são utilizados, quando e porquê.
O estudo desenvolvido é de cariz exploratório, basicamente descritivo e interpretativo, que não tem pretensões de generalizar para toda a população docente. Para a recolha de dados, elaborámos e aplicámos um questionário, que foi respondido por 290 docentes do ensino superior público, universitário e politécnico. Da análise dos resultados obtidos, verificamos que, dos docentes inquiridos, a percentagem dos que utilizam os portefólios no processo de ensino-aprendizagem não é muito elevada.

Ana Paula Couceiro

Os portefólios digitais enquanto estratégia de ensino/aprendizagem/avaliação na formação inicial de psicólogos. Um exemplo da Faculdade de Psicologia da U. de Coimbra

É nosso objetivo discutir a funcionalidade do Portefólio digital enquanto estratégia de ensino-aprendizagem, passível de ser utilizado em múltiplos contextos, com diversos conteúdos, com e para sujeitos diferentes, em ambientes reais/presenciais, virtuais (e-learning) e combinados (b-learning), de desenvolvimento, aprendizagem, formação. Apresentamos um exemplo ilustrativo da sua utilização, em contexto presencial com ensaios de potencialidades virtuais, do ensino superior, enquanto recurso de valências diversas, do ensino, à aprendizagem, à avaliação, da unidade Psicologia da Educação, unidade do 3º ano, da 1ª fase do Mestrado Integrado em Psicologia, ministrado na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Portugal.

Clementina Nogueira

Portefólio de docência: contributo para a avaliação formativa e o desenvolvimento profissional dos docentes do Ensino Superior

Apresentamos uma investigação-ação que teve como objetivo analisar em que medida o portfólio de docência pode constituir um dispositivo de avaliação formativa e de desenvolvimento profissional, na área pedagógico-didática, para os docentes do Ensino Superior. Envolveu um grupo de docentes que construíram o seu portefólio docente apoiado num processo colaborativo que envolveu participação em ateliês e visionamento de aulas. O impacto do projeto a nível das práticas e das conceções dos docentes parece ser significativo.
A avaliação da aprendizagem dos estudantes e a utilização de determinadas metodologias, com especial destaque para as mais ativas, parecem ser os aspetos que apresentam maiores dificuldades. O estudo permite concluir que este dispositivo poderá ser útil para a formação contínua dos docentes do Ensino Superior que se encontrem em momentos distintos da sua carreira, bem como para o seu desenvolvimento profissional, não obstante, a necessidade de se introduzirem alterações.

Luísa Maria de Morais Macieira e Jorge Saraiva

Expectativas e preocupações dos alunos do 6º ano do MIM da FMUC

Objetivos: Determinar as principais preocupações dos alunos finalistas do MIM de medicina, relativamente ao seu futuro profissional,o que os motivou a escolherem esta opção académica e se esta opção continuaria, hoje a ser a escolhida.
Metodologia: Amostra de 106 alunos do 6º ano MIM de medicina, ingressantes no estágio de Saúde Infantil, que compunham as últimas 4 turmas do ano letivo 2011-2012 e primeiras 4 turmas do ano letivo 2014-2015. Foi-lhes submetido um inquérito anónimo com 3 questões de várias possibilidades de resposta, visando os motivos da escolha do curso de medicina e quais as suas preocupações profissionais no momento atual.
Conclusões: A maioria optou por medicina por vocação, a empregabilidade o segundo parâmetro mais escolhido. Estatuto e a média escolar do 12º ano foram as hipóteses menos selecionadas. A principal preocupação é não ingressarem na especialidade pretendida e não arranjarem emprego. Para a maioria, medicina continuaria a ser a primeira opção.

Natália Ferraz e Ana Filipa Simões

Satisfação dos estudantes com as residências universitárias: uma proposta multidimensional de avaliação

A comunicação apresenta alguns resultados de um estudo exploratório descritivo, que investigou a satisfação dos estudantes alojados nas residências da UC, através da Escala de Satisfação com as Residências Universitárias (ESRU-2014), numa amostra de 609 estudantes. De um modo geral os resultados mostram que os estudantes alojados nas residências, na sua maioria bolseiros (77,2%) e do 1º Ano (66,4%), se revelam satisfeitos com as instalações que lhes são disponibilizadas nomeadamente com os seus quartos, apontando a cozinha e a casa de banho como áreas de conflito entre os pares. Os estudantes expressaram a sua menor satisfação em relação ao acesso á internet disponibilizada no quarto e á decoração do mesmo. Estes e outros resultados são discutidos atendendo às condições de acesso e de adaptação ao ensino superior assim como às particularidades socio-económicas dos estudantes que atualmente exigem aos serviços uma reorganização ao nível dos alojamentos que disponibilizam.

Vítor Gamboa, Olímpio Paixão, Andrew Rothwell

Estudo preliminar de validação da versão portuguesa da Escala de Empregabilidade Percebida (Perceived Employability Scale), numa amostra de estudantes universitários portugueses.

portugueses. Embora possamos ainda estar longe de uma clara delimitação conceptual de empregabilidade, de uma forma geral, este construto remete para as competências e para os atributos pessoais considerados relevantes na conquista e na manutenção de um emprego satisfatório, num contexto laboral específico. A escala da de Rothwell e Arnold (2004, 2007) é composta por 16 itens e tem por objetivo avaliar a empregabilidade percebida dos estudantes do ensino superior. O presente estudo pretendeu contribuir para a validação da EEP, tendo-se, para tal, recorrido a uma amostra de 391 estudantes universitários. A análise factorial em componentes principais oferece uma solução em 4 fatores que explicam 60% da variância total, sendo que dois fatores remetem para a empregabilidade externa e dois para a empregabilidade interna. Discute-se a utiliza-se da EEP em contexto de avaliação e aconselhamento de carreira.